Teóricos da conspiração têm alertado que o Exército dos EUA tem praticado exercícios que seriam, na verdade, uma preparação para o caso de um asteroide colidir com a Terra e acabar com a humanidade.

No próximo mês, um grande treino militar chamado «Jade Helm» será realizado em vários Estados americanos com 1.200 soldados, mas os detalhes da sua finalidade são escassos, de acordo com o jornal britânico Daily Mirror.

Agora, conspiradores estão a relacionar este exercício com as suas previsões de que um enorme asteroide irá atingir a Terra em setembro deste ano.

Teorias apontam que a humanidade deve acabar em setembro de 2015

Um blogueiro do site Whistleblower800, que afirma investigar a corrupção no governo dos EUA, disse ter descoberto a razão para o exercício militar.

Ele sugeriu que o «Jade Helm» seria uma «apólice de seguro» no caso de um asteroide colidir com a Terra e tumultos proliferarem pelo país.

Ele escreveu: «Se chegarmos até o outono, este terá sido apenas um exercício de treino. Se não, teremos tropas de prontidão para lidar com o que seria um pandemônio e um incrível caos. Os militares vão atirar contra nós, porque seremos vistos como tolos que se recusam a aceitar os sacrifícios necessários para salvar o nosso planeta.»

Vários blogueiros em sites de conspiração dizem ter previsto que a catástrofe iminente cairá em algum momento entre 22 e 28 de setembro.

Enquanto isso, teóricos bíblicos afirmam que o asteroide irá iniciar o arrebatamento e o início de uma tribulação -termo bíblico que descreve o período aflitivo que antecederia o regresso de Jesus Cristo – de sete anos.

A NASA fez a sua parte e divulgou um comunicado para tranquilizar as pessoas de que nenhum objeto grande é esperado para colidir contra o planeta em «várias centenas de anos».

Um porta-voz disse: «A NASA não conhece nenhum asteroide ou cometa atualmente em rota de colisão com a Terra, então a probabilidade de uma grande colisão é muito pequena. Na verdade, o melhor que podemos dizer, nenhum objeto grande deve atingir a Terra a qualquer momento nos próximos 100 anos.»